Saturday, September 15, 2007

ai ai que preguisse

1900
ai ai que preguisse
dá tant travailheau
fazê perspective
enchê le tableau

1905
nan sei desenher
¿comme veau ser fameause?
veau tê qu'inventer
algun petit chose

1910
pois todo pinteur
que faz algun arte
tamban é inventeur
d'algun disparrate

1915
¿e se je pinter
de cabes pra bache?
oh nan, van me acher
alun de Picasse

1920
e essa é a doeur
que bate mais fonde
parque imitadoeur
já fui de tout monde

1925
talvez haja un jeito
¿a tela en lozang?
oh nan, já foi feito
maudite Mondriaang

1930
entan veau assumir
ma grande preguisse
dizando en Parri
"mon nom est Matisse!"

***

Tudo bem gostar de um ou de outro quadro, achar bonito, interessante, até valioso, ¿por que não? Mas colocar Matisse entre os grandes gênios da pintura é um furo na tela. Matisse só é o favorito de pessoas q olham mas não enxergam, ou olham a fachada dum prédio mas não enxergam a estrutura prestes a desmoronar, ou olham pra apenas um type e enxergam apenas o hype q o divulgou. Matisse brincou de Renoir, de van Gogh, de Seurat, de Cèzanne, de Modigliani, de Braque, de Gauguin, e outros, mas só chegou a si mesmo quando assumiu sua preguiça, sua inabilidade no desenho e sua incompreensão da perspectiva. A notoriedade q adquiriu em começo de carreira foi graças a uma idéia pra parecer diferente, na época em q a frivolidade estava começando a considerar a individualidade como uma forma de talento. A "idéia" foi pintar as coisas com as cores erradas pelo impacto gratuito, e falar inanidades sobre os efeitos psicológicos das cores. Chegou-se até a dizer q Matisse não usava as cores erradas: o mundo real é q foi mal colorido.

Pardon, mas é difícil levar Matisse a sério. Taí, falei.